Terapia Ocupacional

A Terapia Ocupacional é a ciência e a profissão que estuda as ocupações humanas e trabalha no sentido da promoção da independência e autonomia. Na área da pediatria, a Terapia Ocupacional tem como objetivo promover as competências da criança, competências estas que podem ser de natureza motora, percepto-cognitiva, sensorial, emocional ou de interação/comunicação.

Na sua intervenção, o Terapeuta Ocupacional usa o brincar como estratégia facilitadora de um desenvolvimento ocupacional satisfatório, objetivando-se com esta estratégia e a utilização de diversas técnicas terapêuticas, que a criança adquira as diversas competências necessárias à sua autonomia. Contudo de uma forma lúdica para que seja para ela mais fácil o trabalho.

Uma área de abordagem da Terapia Ocupacional é a Integração Sensorial que visa a regulação sensorial (propriocetiva, vestibular, tátil, auditiva, visual, olfativa e gustativa) de modo a que o dia-a-dia da criança seja o mais produtivo possível. De facto todos temos alguns tipos de preferências sensoriais, contudo é a frequência, a intensidade, a duração e o impacto funcional no dia-a-dia desses sintomas que determina a disfunção. Crianças com desordens ao nível do processamento sensorial terão dificuldades em regular de forma eficaz todos os estímulos que vão recebendo ao longo do dia, refletindo-se posteriormente no seu comportamento (ex: crianças impulsivas ou demasiado calmas), nos seus movimentos (ex: descoordenadas/ desajeitadas, caindo e tropeçando frequentemente), nas suas capacidades de aprendizagem (ex: dificuldade em concentrar-se), na sua autonomia e na sua relação com os outros. Desta forma uma intervenção com base nesta abordagem será uma mais-valia, na medida que fornecerá os pilares essenciais à funcionalidade e autonomia da criança.

O Terapeuta Ocupacional procura sempre criar possibilidades para que a criança possa realizar aquilo que deseja. Assim pode também utilizar estratégias de compensação de funções, material adaptado (brinquedos adaptados, por exemplo), aconselhamento de produtos de apoio para aumentar e potenciar o desempenho da criança. Desta forma é possível criar possibilidades para a criança experimentar o mundo, realizar aprendizagens sobre o mesmo e por isso ter um desenvolvimento mais rico (e feliz!).

Alguns sinais de que deve procurar um Terapeuta Ocupacional:

  • Pouca autonomia das atividades de vida diária;
  • Dificuldade em brincar;
  • Pouca/demasiada tolerância ao toque, movimento, sons, texturas, estímulos visuais;
  • Dificuldade em organizar-se num ambiente ruidoso;
  • Escolha frequente do mesmo jogo ou atividade familiar e evita aprender novas atividades motoras ou jogos;
  • Dificuldades na coordenação motora global e fina;
  • Dificuldade no equilíbrio dinâmico e estático;
  • Dificuldades na execução de movimentos simples ou complexos;
  • Dificuldades em realizar atividades gráficas;
  • Dificuldade em executar tarefas do início ao fim;
  • Dificuldade em relacionar-se com os outros.

Terapia Ocupacional

Actualizado a: 16 Fevereiro 2019